Mudança no modelo de pedágio do Paraná está ‘praticamente resolvida’

Governador Ratinho Junior (PSD) foi a Brasília articular por concessões que privilegiem tarifas mais baixas. Presidente classificou pedágios no estado como ‘assalto a mão armada’. Ratinho Junior pede a Bolsonaro que proposta do novo modelo de pedágio seja reavaliada

 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta terça-feira (18) que o pedido do governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD) por mudança no modelo de concessões para privilegiar tarifas mais baixas está “praticamente resolvido”.

 

“Tive com o Ratinho no dia de ontem, bati um papo. Hoje ele já despachou com o Tarcísio [Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura], praticamente resolvida a questão do pedágio do Paraná. Um assalto a mão armada”, disse Bolsonaro.

 

A afirmação foi feita durante lançamento de um programa voltado para o setor de transporte de cargas, em Brasília. O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), viajou para a capital articular por concessões que privilegiem tarifas mais baixas.

 

Governo do Paraná passa a defender modelo da menor tarifa na concessão dos pedágios

 

“Nós, obviamente, reiteramos aquilo que é o desejo de toda a população do Paraná, que é ter tarifas mais baixas, obras e que seja na bolsa de valores para ter transparência”, disse o governador.

 

Sandro Alex, secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, que viajou com o governador, disse que participou de uma reunião com o ministro nesta terça sobre as novas concessões.

 

O encontro durou 1h30, e as negociações pelo modelo com menor tarifa estão adiantadas, segundo o secretário. “O ministro disse que vai resolver e trabalhar no assunto”, afirmou Sandro Alex.

 

Os atuais contratos de concessão de rodovias no Paraná terminam em novembro. A nova concessão prevê R$ 42 bilhões em investimentos em mais de 3 mil km de rodovias federais que cortam o estado pelos próximos 30 anos.

 

Modelos de concessão

 

Governo do Paraná passa a defender modelo da menor tarifa na concessão dos pedágios

 

Reprodução/RPC

 

O governador disse ao presidente ser contra o chamado modelo híbrido, no qual a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) propõe limite de desconto a ser oferecido pelas concessionárias interessadas em disputar a licitação.

 

A média desse desconto é de 17% sobre o preço base. Em caso de empate, venceria a empresa que pagasse a maior outorga, ou seja, oferecesse mais dinheiro. Esses valores seriam investidos em obras nas rodovias.

 

Por exemplo, se o preço base da tarifa em uma praça de pedágio fosse R$ 10, com o desconto de 17% a tarifa custaria R$ 8,30 – e não poderia ser nenhum centavo a menos.

 

A principal crítica ao modelo é que a concorrência não permitiria que as empresas, de fato, oferecessem tarifas mais baixas.

 

O Governo do Paraná e o setor produtivo defendem o modelo de menor preço, sem limite de desconto. Dessa forma, venceria a empresa que apresentasse a menor tarifa.

 

Nessa proposta, as vencedoras teriam que depositar um valor como garantia de execução das obras.

 

E quanto maior o desconto na tarifa, maior seria o depósito.

Fonte: Rádio+tvtamandaré

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *