A gruta da Lancinha é a terceira maior gruta do estado do Paraná

[smartslider3 slider=”2″]

Quem está em busca de belas paisagens e um pouco de aventura em meio à natureza, não pode perder este destino que fica pertinho de Curitiba. A Gruta da Lancinha, que fica em Rio Branco do Sul, a 30 quilômetros da capital, é a terceira maior do Paraná e reúne uma boa dose de aventura, formações rochosas milenares e a terceira maior biodiversidade do Brasil no que diz respeito a cavernas.

Ao todo, são 2,8 mil metros de área visitável, com formações de datam de um bilhão de anos. As formações geológicas são de mármores calcíticos formados por meio da dissolução da água – um processo de milhares de anos.

A caverna pode ser visitada por qualquer pessoa que tenha uma boa dose de disposição, mas, como o é fácil se perder no trajeto, o ideal e recomendável é que seja feito com um guia. O local fica em uma propriedade particular, mas, em 2006, foi criado o Monumento Natural da Gruta da Lancinha, que tornou a área em proteção ambiental permanente.

Para chegar até a entrada é preciso seguir uma pequena trilha, de cerca de dez minutos de caminhada. Na caverna,  trajeto não é muito fácil e é feito seguindo o curso do rio Ribeirão da Lança – um passeio bastante molhado e escuro. Por isso, é bom levar lanternas e uma segunda muda de roupa, para vestir depois do trajeto. Mas as belas paisagens valem a pena. É possível ver dezenas de espeleotemas, formações pontiagudas que transformam a paisagem. No trajeto é possível ver dezenas de morcegos que se abrigam próximos às aberturas da caverna.

São três entradas possíveis para a caverna, que formam três trajetos turísticos diferentes: o primeiro tem cerca de 500 metros, o segundo, que leva até uma cachoeira, tem um quilômetro, e um terceiro – o maior de todos – tem 1,5 quilômetros e leva até o Salão das Festas, com quase 1,2 metros quadrados – mais amplo salão de gruta do estado. Esse passeio, porém, é mais complicado e pode durar até quatro horas.

Seguindo o trajeto do rio é possível chegar até uma cachoeira, que se encontra com uma bela fenda em formato que lança – que pode ter dado nome ao rio e até mesmo da gruta. Na saída, é possível encontrar uma grande área de Mata Atlântica preservada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *